das quiltisses

 

lentamente volto ás manualidades e ás capulanas da Pépé recheadas com o batting da Rosa.

o que eu gosto no quilting e no patchwork não são os elaborados recortes as combinações extraordinárias das formas e das cores, as composições fenomenais que se transformam em obras primas.

desde miuda que gosto dos retalhos costurados. se virmos a maioria das ilustrações de contos do “meu tempo”, invariavelmente as camas dos meninos são cobertas com colchinhas aos retalhos. este é o quilting que eu gosto; aquele mais infantil, mais básico.

mas acima de tudo o que eu gosto no quilting é a forma como se costuram afectos. e ao passear-se na internet vamo-nos deparando com obras extraordinárias de celebração do sentimento.

umas mais simples e alegres que celebram a vida que chega, outras mais tristes que se transformam em actos terapêuticos de lidar com a dor (confort ou passage quilt).

a ideia não me entusiasma, mas enternece-me.

não me entusiasma porque me assusta…

e depois de dois dias activos em modo quilteira, novamente a paragem! dentro de casa a mesa é pequena. Lá fora chove…

Mas gosto deste tempo!!!

CLOTHKITS

Parece que eram famosos nos anos 70.

São kits de costura.

A impressão foi feita sobre tecido, com o padrão no sitio certo, e as marcações de onde coser, onde cortar, ideal para principiantes.

Parece que uma geração cresceu a brincar com estas coisas. Em Inglaterra.

E agora a ideia foi recuperada e reeditada via Clothkits.

Têm vestido para criança, sacos, chapéus de sol, saias para adultos e Bonecas!

As bonecas são hilariantes. Existem também kits para as roupinhas.

Mas o meu preferido é o vestidinho na foto. Com um desenho de Annabel Waterman, nós costuramos o vestido e a destinatária pode colori-lo com as suas próprias mãozinhas.

Descoberto via Four Good Corners

…e mais Monstras

na foto, 4 monstras. A maior é só mesmo minha!

feitas da mesma forma destas galinhas, nas mesmas tardes quentes mas com brisa de Ubud, com o mesmo chá pelo meio e a conversa em frases com verbos no infinitivo.

 

ficam aqui sossegadas à espera que alguém as leve para casa.

na barriga, escondida, não há meninos que se portaram mal, mas apenas um saco para o que der e vier, no mesmo espírito deste