AS NOVAS BOTIJAS ou COLECÇÃO PRIMAVERA/VERÃO!!!!

 

As novas botijas chamam-se Mucas e foram feitas a pensar nas dores de cabeça e febres!

e aquelas coisas irritantes de quando chega a Primavera,

as febres dos mais pequeninos que precisam de mais uma ajuda para além dos Brufen e Benuron.

não sendo tão frias como as de gel, mantêm no entanto a temperatura durante um periodo mais longo , e não têm de ser envolvidas antes de colocadas em contacto com a pele.

podem como é lógico também ser utilizadas quentes. e o ideal seria ter duas para situações que exigem a alternância de frio com quente.

ou até várias não  vá o padrão do saquinho chocar com as cores do pijama…

 

Nota: a criança da foto não sofreu qualquer tipo de violência durante a produção das mesmas.

Nota 2: esta semana mais padrões de sacos.

…e mais Monstras

na foto, 4 monstras. A maior é só mesmo minha!

feitas da mesma forma destas galinhas, nas mesmas tardes quentes mas com brisa de Ubud, com o mesmo chá pelo meio e a conversa em frases com verbos no infinitivo.

 

ficam aqui sossegadas à espera que alguém as leve para casa.

na barriga, escondida, não há meninos que se portaram mal, mas apenas um saco para o que der e vier, no mesmo espírito deste

as tais monstras

já tinha prometido falar delas
acho-as tão tão feias que acabam por ser irresistiveis.
e como todas as mulheres, monstras ou não, também têm segredos.
mas estas abrem-se:
e olhem o que lá está dentro:
o saco é feito de pedaços de tecidos tradicionais javaneses
os vestidos das monstras têm pedaços de velhas sedas
e sabem para que são mesmo mesmo úteis?
não me ocorre nada de momento…
mas se as não tivesse feito acho que as teria mesmo de comprar!!!
2 disponiveis

TONTAS TONTAS TONTAS ANDAM AS GALINHAS…

 

Dizia eu que todas as boggers têm filhos. E que eu também. E grande parte delas usam-nas para demonstrar as coisinhas que vão fazendo. E as meninas aparecem lindas e com ar sorridente e muito muito cooperante, nas fotos com a iluminação certa e ângulo pensado,  que as mães lhes tiram.

Achando-me eu capaz de fazer o mesmo, vai de pegar na adorável criança e pô-la de galinha na mão em cima do naperon da avó.

Vários problemas surgiram:

– lá fora chove (tem que ser cá dentro e já são 6 da tarde)

– estão a dar os bonecos preferidos e o tema de hoje é um irmão mais velho imaginário (um tema recorrente nos ultimos tempos)

– estão a dar os bonecos

– estão a dar os bonecos

– ESTÃO A DAR OS BONECOS!

A coisa não correu muito bem. Arrastada para a entrada tiro-lhe mais uma à pressa.

Anda lá, querida, sorri!

– Estão a dar os bonecos, mamã!

– Os bonecos, mamã. ele tem um irmão.

Em suma a galinha é um saco. Foi feita por mim e pela Ibu Tia em Bali. A Ibu tia é uma senhora com pelo menos 354 anos ou talvez 355, que aproveita todos os pedacinhos de panos do atelier dos filhos e faz estas coisinhas bonitas. vive em Ubud.

eu passei muitas horas com ela, e fui cortando os pedaços e conversando tanto quanto as minhas habilidades linguisticas permitiam. Fizemos também uns monstros. Mas isso eu mostro amanhã.

é que estão a dar os bonecos e ele hoje tem um irmão.

QUILTING AND PATCHWORK and Lap Quilting and stuff…

 

acho imensa piada a cortar pedaços de pano e juntá-los uns aos outros.

não acho grande piada a fazer composições elaboradas.

mas decidi fazê-las.

para a semana vou experimentar.

por várias razões. digamos por 3 razões porque todo o bom raciocionio e toda a boa argumentação deverá ser dividido em três partes.

1ª porque tenho que perceber o porquê deste vício que alastra pelo mundo há mais de duzentos anos.

2º porque tenho que perceber se é tão dificil como querem fazer parecer

3º porque sim, ora.

Entretando fui experimentando o patchwork mais simples. não por ser mais simples mas por ser o meu favorito. E tive que usar os quadrados e as bolinhas, porque esses são os padrões que sempre associei ao patchwork. As bolinhas por uma razão extra; os lençóis que preferia no berço do meu irmão do meio, eram azuis com pintinhas brancas. e tinha também uma camisinha minuscula com o mesmo padrão e umas rendinhas mínimas muito delicadas. e eu com 5 anos de idade achava que todos os bébés se deveriam vestir assim. e que os sapos se tivessem sarampo deveriam ficar com aquele aspecto e que se a pipi um dia trocasse de meias, calçaria umas com aquele padrão.

creio que o irei usar muitas vezes, em coisas diferentes mas muitas vezes.

As experiências com os quadrados já são antigas. foram feitas várias tentativas ao longo dos anos todas elas fracassadas. fracassadas e inacabadas. os tecidos que utilizem estavam meio perdidos na retrosaria e são ligeiramente diferentes dos actuais; são mais grossos e o avesso é liso na cor predominante do tecido. assim para além de usar as duas cores escolhidas, brinquei também com os avessos, criando a ilusão de possuir 4 padrões diferentes. Esta colcha foi feita a pensar em mim, apesar de não caber na minha cama (esta foi feita sem querer em tamanho de cama de casal), tem rendas quadrados e lisos todos misturados e precisa de madeiras e ferro para se sentir feliz. Tem um ar de verdadeira manta de retalhos assim como se se tivessem aproveitado restinhos de tecidos.

Quis tanto fotografá-la que me esqueci de a passar a ferro.

Tive tanta dificuldade em fotografá-la que acabei por a embrulhar ainda mais!

e um dia ainda vou aprender a colocar aqui as fotos devidamente enquadradas no texto!!!

Ambas (ou ambas as duas como se diz na televisão!) as colchas estão disponiveis. Existem ainda dois ursinhos pirosos feitos no mesmo tecido. Porque o kitsh só é kitsh quando o elevamos ao extremo!!!:-)

E para tornar este post ainda mais longo e com mais informação do que aquela que é visualmente possivel absorver, terei ainda que vos mostrar as oh tão macias oh tão quentinhas mantas!

Esta foi feita com tecido polar dos mais quentinhos e batik manual Balinês. Quando falo em manual refiro-me á técnica de carimbo, daqui a pouco explico o que isso é.

Gosto em especial deste tecido por ser manchado. A cor não foi distribuida uniformemente havendo tons mais escuros e mais claros de lilás.

gosto do tom lilás pelas diferentes conotações e símbolismos politicos que foi assumindo ao longo da história.  

agora que já dei um tom mais intelectual à descrição da manta, passemos à seguinte!!!

esta aqui não é um batik manual, é na verdade um impressão mais industrial mas feita de uma forma tão rudimentar que aos olhos ocidentais pode ser chamada de artesanal. Cada pana é trabalhado separadamente não havendo cortes de tecido. Os padrões utilizados são antigos e tipicamente javaneses e o algodão é leve e macio.

e mais alguma coisa para dizer?

hummmmmm, que as mantas tb estão disponiveis. que está frio e vocês nem sabem o quanto precisam delas, que as botijas naturais estão a ser um sucesso e que sim, é verdade, a minha mãe é a minha melhor freguesa…

De ursos e botijas e ursos e botijas

 

A feitura dos ursos é um processo doloroso.

Este processo autodidacta obriga-me a passar pela construção dos modelos tradicionais. E eu que nunca fui uma amante da pelucia, reajo-lhe com algum pudor. sinto também o desejo de combinar as diferentes componentes dos diferentes modelos. Mas sinto também que o não posso fazer enquanto não tiver experimentado uma boa dose de modelos diferentes.

Os materiais representam outro problema. Os pelos e pelinhos apesar da tortura de os cortar (durante o corte os pelinhos tendem a penetrar todos os orificios que compôem o corpo de quem esteja presente na mesma sala), são materiais fáceis que não deixam ver imperfeições, mas que me desagradam por serem tão tradicionais. São apesar de tudo os que têm recebido maior feedback, mas não consigo imaginar-me a fazê-los, porque o caminho seguinte seria começar a fazer-lhes roupinhas… camisolas, saias de folhos, casaquinhos de fazenda, corações na mão para o dia de S.Valentim…

Vai ser portanto um processo de aprendizagem semi-longo, até chegar a um modelo e a um material que os identifique como meus. Seguido, como é lógico, de um periodo eterno de glória…

As botijas naturais têm tido um grande sucesso e para isso tem contado o generoso patrocinio de S.Pedro a quem desde já agradeço a colaboração. São feitas de cereais e flores e servem os propósitos mais variados; por aqui usamo-las essencialmente para nos aquecermos. 4 minutos no micro-ondas e deitar na cama gelada muito abraçados a ela. A Gui tem uma em versão gingerbread man, mas mesmo assim não prescinde do rectângulo. Vão arrefecendo lentamente sendo por isso mais saudáveis e seguras do que as tradicionais botijas de água.

Tal como os ursos, também as botijas estão em mudança. As primeiras eram rectângulos em tecido, apesar dos tecidos serem especiais – eram modelos muito simples. Estas ultimas são um pouco mais elaboradas porque brinquei com os tecidos. As próximas serão por certo simplesmente brilhantes!:-) Cada botija custa apenas 10€ mais portes de envio.

QUILTING AND PATCHWORK

aliar a paixão por tecidos africanos com as técnicas de acolchoamento e patchwork resulta neste pequenos duvet/edredões/colchas.
o tamanho é definido pelo padrão da capulana ficando assim limitado ao metro por metro e meio.
o acolchoamento e o tecido polar tornam-no macio e quente. Gosto em especial do efeito muito anos 70 da combinação de cores do forro. E achei-o mais bonito que a propria capulana.
As capulanas são panos coloridos usados pelas mulhere Moçambicanas como saias. Podem enrolar-se à cintura ou cobrir a cabeça, ou belecar-se um bébé, ou ou ou. Faz parte do dia a dia e existe em toda a espécie de padrões e cores. Actualmente os mercados foram invadidos por tecidos Indianos, mais baratos mas mais frageis e com menos rigor gráfico.
Em 2004 foi lançado em Maputo um livro dedicado a este tema – “À volta de Capulana” – de que desconheço o autor. Existe também uma belissima exposição fotografica de Sergio Santimano sobre a presença da capulana no vestuário da mulher Moçambicana.
Em Portugal, várias pessoas descobriram os encantos da Capulana, e aplicam-nos na produção de items diversos:
os lindos slings e sacos da Rosa Pomar;
as roupas fantásticas da Carla Pinto

Obrigada Pépé pelos panos!

Mais quilts disponiveis na loja.