de Alfama é liiiinda!

(na foto – o fantástico grelhador singer dos Staats!)

quando eu morava em Alfama numa casa fantástica junto à Igreja de Santo Estevão, daquelas em que baixamos a cabeça para passar da cozinha à sala, com fogão de lenha em ferro do seculo XVIII, com escadinhas estreitas de madeira para subir ao primeiro andar, com banquinhos de pedra nas janelas, e janelinhas pequenas nas portas.

quando eu morava em Alfama e secava a roupa no estendal à janela, quando era fotografada por 15 japoneses de cada vez que pendurava as cuecas, quando me afastavam a cortina da sala do rés do chão para me espreitarem a casa – “oh sorry”! – enquanto comia os cereais com o sol de Maio a bater-me nas pernas, quando abria a porta e deixava o cão sair para passear e a vizinha me fazia o relatório – “A sua Maria, andava ali com um cão vadio” -assim como se ela fosse menina e lhe tivesse que velar pela reputação.

quando caminhava a pé para o escritório, ali junto ao castelo, quando descia à baixa no 28 cheio de turistas e alunos de circo e advogados a querer ser juizes, quando corria ao celeiro comprar o almoço pronto e subia a pé sem me cansar.

nessa altura, fatalmente nessa altura, quando as ruas vestiam manjericos de papel e os meninos faziam os altares de cartão. quando os vizinhos compravam a sardinha e começavam a cortar a fruta para a sangria, quando finalmente estava pronta para viver os santos da parte de dentro, todos os anos, fatalmente, uma reunião era marcada em Londres e eu passava a semana fora…

e quando regressava, as ruas tinham o cheiro pestilento da festa que acabou, os papelotes presos só por uma ponta, os altares teimosamente no mesmo sítio e só uma coisa alegrava os dias: a puta da discussão sobre a puta da marcha – onde diga-se só tinham marchado putas – e a filha da putisse de terem ganho nesse ano!

 

6 thoughts on “de Alfama é liiiinda!

  1. como eu me lembro de umas belas ameijoas confeccionadas pela Sandra e comidas nessa dita casa de Alfama… belos tempos (depois de ler este post bateu-me a saudade)

  2. …e depois de te teres ido embora, Alfama nunca mais foi a mesma!… Agora tudo passou a ser um monte de memórias para mim também… E ironia das ironias: lembras-te de quando até para comprar uma maçã tínhamos que ir à Baixa?… Pois no dia em que disse adeus ao escritório, exactamente nesse dia, após quase doze anos de pisar aquelas calçadas para ir buscar a maçã lá abaixo… abriu um mini-mercado ali à esquina, cheio de caixotes de maçãs golden, royal gala, bravo esmolfo, red globe… ali mesmo no canto, na esquina onde em tempos já tinha estado um Banco!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s